Alegria e inquitaçao . Porque ?

Vamos conversar?

O primeiro texto que postei nesta nova fase do blog foi um resumo dos acontecimentos

após o lançamento do meu livro “Agora é Viver”, pela editora Rocco. O neném que

chegou, trazendo felicidade à minha vida e, por outro lado, revolvendo preocupações e

sofrimentos. A ansiedade, a depressão e o pânico perturbando novamente o meu dia a

dia. Até que consegui voltar a escrever, para fazendo ressurgir este blog, que pretende

ser uma conversa de mão dupla. Participe, escreva, comente. Vamos nos ajudar uns aos

outros.

Dúvidas, culpas e medos

Ter um filhinho no colo me encheu de alegria. Mas, ao mesmo tempo, me bateu um

medo inconsciente. O mesmo medo que tive quando estava grávida do João, 20 anos

antes. Será que eu teria condições de recomeçar minha vida, com todos os problemas e

limitações que vivencio desde a infância?

Mal ou bem, estou aqui. Já se passou um ano. Meu bebê está ótimo. Tem um pai

maravilhoso, irmãos ótimos. Estou conseguindo proporcionar a ele uma vida tranquila,

que não tive.

Acredito que muitas das mães que estão lendo esse post estejam passando por algumas

situações como as que tenho vivido diariamente.

- Como deixar meu bebê com a babá e ir trabalhar?

- Como deixá-lo e ir à academia, ou sair com amigos?

- Não seria mais correto estar o tempo todo com ele?

- Como fazer para retomar as minhas atividades sem descuidar do filhote?

Pensamentos como esses me consomem. Quando vou fazer algo para mim e não levo

meu bebê, fico agitada, nervosa, culpada. “Eu deveria é estar com ele agora, e não me

divertindo com amigas, que mãe leviana estou sendo!”

A culpa me mata! Mas sei que nada adianta esse tipo de culpa! Se você precisa

trabalhar, ou quer sair com uma amiga, ou se é importante cuidar de seu corpo, ou

mesmo se você simplesmente quer ficar sozinha por algumas horas, que problema tem

isso?

Não é ficando com o bebê 24 horas que mostramos nosso amor. O importante é como

cuidamos dele. Com quem estamos deixando nosso filho. A qualidade do tempo que

passamos com ele.

O que adianta se prender em casa e ficar frustrada? Esse não é um sentimento bom, nem

para você, nem para ele. Agindo assim, você acabaria culpando seu filho por sua

frustração, por sua insatisfação.

Seu bebê não está pedindo que você abandone sua vida em função dele. Pelo contrário,

quando mais realizada como pessoa, melhor mãe você poderá ser.

Tem gente que fica se culpando e colocando regras que só existem em sua própria

cabeça.

O bebê precisa de atenção, amor, alimento, sono tranquilo, segurança, brincadeiras,

carinho… e limites. Como não tive isso tudo na infância, me confundo, costumo

exagerar nas exigências que faço a mim mesmo, quero dedicar a meus filhos todo o meu

tempo, tudo de mim. Mas estou vendo que isso não é bom. E por isso estou finalmente

conseguindo fazer mais vezes o que quero, sem me culpar.

Muitas vezes me sinto sozinha. Nesses momentos, parece que minha vida se resumiu a

ter filhos, e não quero só isso para mim. Com o mais velho, já vi que filho é para a vida

e que um dia eles nos deixam. Assim é a vida. Isto é ser saudável.

Muitos dias me deito e choro, porque tenho medos. Medo de como será meu futuro.

Medo de não saber como criar meu bebê. Medo da solidão. Muita angustia . Sou escritora né? Aquela caraterística , pensa muito e sensivel demais .

Muitos que se dizem amigos somem quando você está com bebê. Não querem saber de

fazer programas com você carregando um filho no colo. E aí, mais uma vez, você se

depara com a realidade da vida. Amigos de verdade são poucos. E isso me entristece

demais, pois eu sou amiga para qualquer hora.

Tenho trabalhado esses medos e dúvidas no tratamento para ansiedade e depressão, que

neste momento estou fazendo. Sinto que tenho melhorado a cada dia. Mas a batalha

continua, e quero muito compartilhar essas questões com você, que está lendo meu

blog.

Tudo que mais quero nessa vida é PAZ , a paz interna que luto tanto para ter , mas minha cabeça inquieta atrapalha …. Acredito que com a força de Deus e com a minha vontade eu irei conquistar . Que 2016 seja um ano MARAVILHOSO para todos nós !

Vamos trocar ideias?

Um beijo, Isa.