Compartilhando sonhos

 

 

seus-sonhos-objetivos

Sempre quis me dedicar à Psicologia, mas me faltava coragem. Tinha medo de não

passar no vestibular, de não conseguir cursar a faculdade. E, mesmo que conseguisse

superar esses limites, eu tinha muito medo de me envolver com o problema do outro.

Desde menina, de certa forma eu era a psicóloga da família, já me sentia nessa

profissão. Eu quem cuidava de todos em casa, por causa da doença de meu pai,

enquanto minha mãe ficava ocupada cuidando dele. Eu era uma espécie de mãe para

meus irmãos. Quem já tiver lido meu livro “Agora é viver”, sabe que eu fazia de tudo

para protegê-los inclusive dos surtos de meu pai.

Só agora, aos 40 anos, finalmente eu tive coragem de fazer a prova para realizar um

antigo sonho: atuar profissionalmente na área de Psicologia.

A coragem não veio fácil, de um dia para o outro. Foram anos de terapia e de luta

interna. Mas o que importa é me levantei da cama, respirei fundo e fui para o vestibular.

Conclusão: passei!

Meu maior medo não era ser reprovada, até porque eu entendo bem do assunto.

Acho que inconscientemente estava querendo me boicotar mais uma vez, deixando de ser feliz

e de cuidar de mim.

Sinto-me mais capaz de separar a ajuda que vou oferecer ao outro e não trazer os

problemas para dentro de mim, repetindo o que fiz a vida toda. Eu cuidava de minha

família, mas fazia isso de maneira doentia, não pensando em mim.

Vou conseguir separar melhor (os problemas dos outros e os meus) não só porque me

sinto mais forte, mas também porque hoje sei que a formação em Psicologia nos prepara

para evitar esse tipo de envolvimento e identificação.

É claro que não serei fria em relação ao problema do outro, mas não continuarei sendo

aquela Isabella codependente, sofrendo junto do outro sem cuidar de si.

Cuidar de mim: talvez isso também me provocasse medo desse curso, que me fará

entrar mais profundamente em contato com meu eu. Isso ainda me assusta. O problema

do outro parece mais fácil de se resolver, pois muitas vezes queremos fugir da dor de

olhar para dentro de nós mesmos. Mas a gente consegue. Basta querer e ter coragem.

Vale a pena encarar o desafio.

Então, você que me lê neste momento, se também tem um sonho, mas que por algum

motivo esse sonho ficou de lado, se por alguma razão você desistiu dele, tenha força,

coragem, vá atrás, siga adiante! Vale muito a pena ser feliz.

Somos do tamanho de nossos sonhos !

Sei que, mesmo já estando no caminho, a realização do meu sonho não será fácil. Ainda

me sinto um pouco insegura, pois tenho um bebê para cuidar, e ao mesmo tempo terei

esse compromisso com os estudos. Mas isso me deixará feliz, e uma mãe feliz vale mais

que tudo para seus filhos. Então lá vou eu, encarando de frente esta vida nova e

desafiadora.

Afinal de contas, o que custa tentar, não é? Pior é ficar pensando e não fazer, como

fiquei por muito tempo de minha vida, imobilizada por traumas familiares e questões

pessoais.

Além de falar de mim neste blog, quero também saber de você, que está lendo. Escreva

também! Estou aqui para trocar ideias, compartilhar sentimentos, e para que, juntos,

possamos nos ajudar um ajudar ao outro.

Um beijo com carinho, Isa