Violência psicológica

Boa noite , queridos amigos e leitores.

Hoje falarei de um problema sobre o qual pouco se fala, embora seja mais comum do que parece. Trata se de violência psicológica.

Você, que está lendo meu blog neste momento, já sofreu ou já presenciou esse tipo de violência? 

Começa de forma sutil, como uma critica a você, uma desvalorização que se torna frequente. Ou com uma atitude de desprezo, como acontece, por exemplo, quando o seu parceiro ignora você enquanto você esta falando de sua dor ou qualquer outra coisa que seja importante para você. Xingamentos e acusações sem cabimento.  É mais ou menos assim que inicia a violência. 

A violência psicológica pode doer mais que a física.  Ela começa aos poucos e, quando percebemos, já é tarde. A violência física se percebe logo que acontece e você tem a escolha de sair da relação ou não.

Você tem mais evidências de que aquela relação não é para você.  Ninguém quer apanhar, não é? Então a pessoa agredida pensa: “Assim não dá mais.  Isso chegou a um ponto em que minha vida corre risco.”
 E assim consegue sair da relação com mais certeza do que está fazendo.

Mas, ao sofrer violência psicológica, depois de ouvir palavras terrivelmente ofensivas a nossa autoestima fica tão prejudicada que a gente se esquece do que aconteceu, por amor à pessoa que nos agrediu. Então começamos a nos isolar dos outros, a nos afastar dos verdadeiros amigos, em função de um relacionamento doentio. A vítima fica sem espaço para pensar. Isso preenche a sua vida de uma forma tão cruel que ela acaba se anulando. Pensa 24 horas nas agressões e no agressor, em como evitar as brigas e crises de ciúmes do outro. Vira uma obsessão. Não pensa em coisas boas e sim como evitar qualquer movimento para não ser maltratada.

É uma doença. O agressor passa a dominar sua vida. E você a dele. Torna se uma relação doentia e ambos sofrem. Quem é agredido psicologicamente reage agredindo também. Aí está o perigo, pois se os dois se agridem o próximo passo é a agressão física. Quem tortura o outro psicologicamente pode levá-lo a cometer loucuras.

O amor não maltrata. O amor nos faz bem. Se alguém maltrata você e não o (a) respeita, isso não é amor e sim uma doença. Se você passa por isso, tente sair fora o quanto antes. Não tem jeito, a pessoa não muda. Geralmente, pessoas assim são doentes e não tem cura. Ou é psicótico, vê coisas onde não tem e acusa o outro fazendo-o sofrer, ou é psicopata e faz sofrer por ter prazer nisso. 

Lembre-se, não podemos esquecer quem somos, pois é aí que deixamos a porta aberta para o sofrimento e dependência .

Eu vivi esse dilema . Sofri muita na relação e tentei de tudo para ajudá-lo. Acreditava que, por amor a mim, ele iria mudar, ia se tratar e passar a ver que tudo o que ele me acusava era da cabeça dele, e assim poderíamos viver em paz. Achei que nosso amor seria maior, mas não foi. Ele não me amava e sim queria me controlar. Não adiantou nada que fiz por ele. Ele acredita somente no seu pensamento doentio, surtava e me agredia verbalmente.

Até que um único dia ele partiu para agressão física. Foi então que acordei e resolvi deixá-lo. Até hoje ele não pediu desculpas, não enxerga que errou e que cometeu um crime. Não só dessa última vez, mas durante toda a relação, suas agressões verbais me causaram danos graves, e ele nunca achou que estava errado em me maltratar. Relevei por amor e por acreditar que poderia ajuda lo . Não podemos mudar ninguém que não quer ser ajudado. 

Graças a Deus enxerguei essa loucura antes de nos casarmos. Planejávamos casar e ter filhos. Imagina que terror! Estar casada com uma pessoa agressiva e ainda ter filhos no meio!? 

Não deixe isso acontecer com você. Quase aconteceu comigo. Quem está vivendo uma situação precisa de ajuda médica, de apoio psicológico e de amigos para sair dessa.

Força! A violência psicológica também deixa traumas irreversíveis. Não se cale, peça ajuda! Pessoas que aceitam esse tipo de violência geralmente são co dependentes. Se esse é o seu caso, procure ajuda e saia dessa tortura. E se conhece alguém que esteja nessa situação, indique-lhe a leitura deste blog.
Outra coisa importantissima , se você sofre violência psicológica ou física denuncie , essa pessoa não pode ficar impune. Não pode cometer com outras pessoas o que cometeu com você. 
Dica de leitura ( livro ) “Amores que nos fazem mal “de Patricia Delahaie 

Beijos com carinho, Isa

  • http://www.blogger.com/profile/17071487706977133171 Gustavo Sampaio

    Este comentário foi removido pelo autor.

  • Madeleine Braga

    Excelente!!!

  • http://www.blogger.com/profile/11964711812633056320 Isabella Lemos de Moraes

    Obrigada! beijos Isa

  • Familia Amo Eu

    Obrigada pelas reflexões. Aqui está um exemplo de alguém que busca vencer as consequências desse tipo de abuso.

    http://minhafamiliaamoeu.blogspot.com.br/

  • Silvia Marques

    Estou a passar por isto. Deixei-o na noite d natal…. mas ele reconhece q errou e q m privou da liberdade. Sera que ele nao mudara mesmo com o tempo? Ele ta sofrer mt pk nunca pensou k eu realmente o deixasse. Sera q ele n muda com o tempo

  • andrea

    A 4 anos e meio eu passo por isso… todos os tipos de xingamentos, palavrões, injúrias.. cotoveladas, beliscôes, puxôes pelo braço, gritaria em lugares públicos e dentro da minha casa, perseguições, telefonemas sem fins, telefonemas no meu trabalho de ameaças, etc… estou exausta e tenho vontade de me matar, coisa que não faço pelo sofrimento que causaria à minha mâe, pai e irmãs… ele faz tudo isso escondido dos outros e as pessoas só acham q ele tem cuimes… Eu termino com ele, ele fica doente, me pede ajuda, milhões de desculpas, chora, fala que eu sou a única pessoa do mundo que quer o seu bem, que me ama, que mata e morre por mim, que precisa de mim, que eu não posso desistir dele, que eu preciso acreditar no amor e a mudança só acontece por amor… enfim, eu burra e otária que sou, acredito e cada vez menos feliz, com menos sorriso no rosto eu volto, sinto nojo de mim, vergonha de mim, me sinto uma bosta humana (assim como ele me xinga – desculpas as palavras)… Agora estou definitivamente terminada com ele, e continuo sofrendo tudo isso e todas as ameças, diz que eu sou o diabo, uma doença e que vai me fazer sofrer pro resto da minha vida e que nem polícia vai me defender, que eu sou uma coitada maria da pena… tenho medo, estou angustiada… só quero ser feliz longe dele…